quarta-feira, 20 de maio de 2009

O casal Mattos.

A história de nossa cidade nunca ficará completa se nela forem omitidos nomes daqueles que dedicaram todas as suas vidas pelo progresso do município. E, hoje vamos contar um pouco da bela história de João Ribeiro de Mattos e sua esposa Maria José Ferreira de Mattos, ou D. Zezé de Mattos, como todos passaram conhecer.

Esse casal foi responsável pela existência de um dos prédios mais imponentes da cidade, o primeiro cartão postal que se vê quando se chega à cidade ou mesmo quando se passa por aqui e forçosamente tem que atravessar a cidade.

João Ribeiro de Mattos nasceu em 14/04/1899 em S.Domingos, sendo o segundo dos dez filhos de Ezequiel e Carolina Augusta. Já Maria José Ferreira de Mattos nasceu em 28/04/1894 no Miranda, sendo a primeira dos 8 filhos de Carmino e Ana Izabel. Antes de se casar, ela foi a primeira professora na Escola Rural do Congonhal na Fazenda de Antônio José, irmão do Cap.Cláudio.D.Zezé, de baixa estatura, tinha uma voz privilegiada e por causa disso passou a fazer parte do coro da Igreja Matriz com a sua “voz soprano” com outras pessoas que foram ensinadas pela esposa de Thomé Brandão.
Depois do casamento, o casal passou a residir na cidade onde tinham um comércio de secos e molhados na Rua do Rego (av. 2) hoje denominada João Silva, onde nasceram os seus 5 filhos e onde viveram até 1939, quando compraram o antigo Hotel Bella Vista. Como a Estância estava em franco progresso, desmancharam o velho casarão e com muita luta e sacrifício devido à Segunda Grande Guerra Mundial , fizeram um prédio que se tornou o Hotel Mattos, denominação essa que conservou até 1958, quando o hotel foi vendido aos espanhóis atuais proprietários.

Ná época da venda do Hotel Mattos, o fundador deste, João R.de Mattos já havia falecido e todos os seus filhos já estavam casados.

D. Maria José, como podem ver, era uma mulher muito religiosa. Então, quando eram recém casada, João o seu marido e o amigo Armando Almeida foram sorteados para servir o exército em Três Corações. D. Maria José e D. Mariquinha fizeram promessa a N.S. Aparecida e o nome dos dois desapareceu da lista, fato acontecido em 1919 e considerado pelas duas famílias como um milagre.Por causa disso, os dois foram os pioneiros em romaria à Aparecida, o que faz Cambuquira a primeira cidade da região a mandar romeiros para aquele santuário mariano.
João de Mattos foi um homem à frente do seu tempo, tinha a visão da solidariedade, embora politicamente parece não ter tido o reconhecimento do povo. Assim ele e mais alguns cambuquirenses de fé construíram a primeira casa paroquial da cidade e também a primeira casa da Vila Vicentina. Como homem de caráter firme e honestidade, ele foi nomeado também para Delegado de Polícia, quando na função construiu a primeira cadeia da cidade e foi o líder da construção da primeira rodoviária de Cambuquira, demolida por D.Antônio quando construiu o novo terminal de ônibus da cidade, o que foi uma pena pois apesar de simples era muito charmosa e poderia ter sido conservada como terminal turístico como almejavam alguns.


João faleceu em 21/08/1954 ainda jovem com apenas 56 anos. Já D. Maria José, ou D. Zezé de Mattos ficou viúva por 34 anos vindo a falecer em 1988 com os seus cabelos brancos como algodão aos 94 anos ainda muito lúcida.

Deixaram os filhos: João Jurandir Mattos, José Jair de Mattos,Sebastião Valdir de Mattos, Benedito Ari de Mattos e Maria Jacy Mattos (foto à direita) e 18 netos.Na foto ao lado os irmãos Mattos em Aparecida do Norte- sp.
Essa matéria foi baseada em informações enviadas por J.Afonso e por ele coletadas junto à filha do casal.
A foto do Hotel Mattos foi enviada por Renate Köhler, hoje Drews, cambuquirense-alemã residente em Kiel (Alemanha) que gentilmente nos cedeu essa bela imagem.
A foto de antigo Hotel Bella Vista foi copiada da obra "Memórias" de Cambuquira - de autoria do Pe. Antônio Ferreira.
As demais fotos são originárias do arquivo particular da família que nos foram cedidas para esse registro histórico.
Propaganda:
que muito fizeram por esta cidade."

Na foto colorida à direita:Da ESQUERDA PARA A DIREITA; Benedito Ari Mattos, Sebastião Valdir Mattos, Maria Iracy Mattos, José Jair Mattos e João Jurandir Mattos.


Nota do blog: "Este casal merece muito mais do que um simples destaque numa página da internet. E, está na hora de nossos políticos reconhecerem os verdadeiros valores daqueles

Um comentário:

izabel disse...

Eu, Maria Izabel de Oliveira Mattos, sou a neta caçula deste ilustre casal "Vovó Zezé e Vovô João". Não tive o prazer de conviver com meu avô, já com vovó vivi várias travessuras. Achei genial este blog, pois contar histórias de pessoas que contribuíram para a comunidade de onde viveram é um exemplo para todos nós de que possamos sempre deixar algo para nossa descendência. As raízes de uma família se solidificam quando partilhadas para o bem de todos.