quinta-feira, 23 de abril de 2009

Cícero Acayaba


Morreu, nesta terça-feira 21 de abril, Cícero Acayaba, um dos mais importantes escritores brasileiros. Nascido em Cambuquira, Cidadão Varginhense Honorário, Presidente de Honra Vitalício da Academia Varginhense de Letras, Artes e Ciências. Nosso Poeta Maior, nacionalmente conhecido desde os tempos de novelista da Rádio Nacional, considerado como melhor sonetista do Brasil por vários críticos literários. “O eterno poeta”, como gostava de ser chamado, escreveu 130 radionovelas e 34 livros, sendo que 14 foram publicados. Durante vários anos, publicou seus textos no Jornal Sul de Minas. Uma de suas maiores obras é o “Diário Lírico”, de poesias. Escreveu livros de ficção, poesias, memórias e prosa. Além de escritor, foi radialista, novelista e advogado. Formou-se no Rio de Janeiro. Cícero trabalhou na Rádio Nacional do Rio de Janeiro por mais de vinte anos, durante os anos de ouro do rádio. Escreveu inúmeros livros. Entre eles sua biografia, “Meu pé Direito”.
Cícero Acayaba era filho do farmacêutico Benevenuto Braz Vieira, natural de Cambuquira, um dos primeiros vereadores da vizinha cidade. Se estabeleceu em Varginha na rua Presidente Antonio Carlos, 346 onde foi dono da Farmácia Braz (hoje Farmacia Emílio) ao lado da prefeitura. Benevenuto teve três filhos: Maria do Rosário Acayaba Vieira (Mariazinha), Fabiano e Cícero, nascido em 09/02/1925 em Cambuquira, mudou-se para Varginha em 1936.
Fonte: Blog do Madeira

Na foto 3/4 ele, captado, com certeza, num momento de alegria, como ele devia ser para se tornar o poeta de sempre como bem definiu Madeira. Na outra, num encontro da turma quando a literatura deve ter sido o prato principal.
Com a sua ida para o andar de cima, Varginha fica mais vazia e Cambuquira mais triste com o vazio que vai ficar a representação cultural de nossa cidade. E, como foi comentado no Blog Cambuquira, já deve ter se encontrado com outros tantos poetas cambuquirenses que se foram: Mário Azevedo, Thomé-Manoel e José V.Brandão, além de Martha Antiério, Argemiro Correia e outros mais.

Um comentário:

Meimei Corrêa disse...

Homenagem ao poeta Cícero Acaiaba, por ocasião de seu aniversário em 19/01/2002.

UM SONETO PARA CÍCERO

(O herdeiro de Drummond)

Feliz aniversário, meu amigo
Companheiro de muitas gerações
Na família, um laço muito antigo
Enfeita um grande cesto de emoções.

Parabéns não só pelo aníversário
Pelo dom de expressar teus sentimentos
Gerados em tão grande relicário
Do coração de tantos sofrimentos.

Não chores mais a tua triste infância
Pois muitas aves voam sem destino
Sem ter as mesmas chancesque o menino

Cícero teve e não vê a importância
De ser na vida o grande Imperador
Do país ilusão, chamado AMOR.

MEIMEI CORRÊA